Arquivo da tag: Tecnologia

Em Portugal, ônibus e táxis se transformam em roteadores Wi-Fi

vanet

Na cidade de Porto, em Portugal, ônibus e táxis ganharam uma funcionalidade a mais e passaram a ser também roteadores de Wi-Fi. A tecnologia foi implementada pela startup Veniam.

Segundo o Mashable, mais de 600 veículos receberam a novidade, e agora, além de oferecer internet, também poderão coletar dados para ajudar a melhorar a cidade.

Por meio de sensores, é possível detectar estradas com buracos e colisões ou ainda, lixeiras que precisam ser esvaziadas. Neste último caso, as lixeiras também possuem sensores para se conectarem com os ônibus e táxis.

A tecnologia beneficia cerca de 70 mil pessoas mensalmente e já aumentou entre 50% a 80% no tráfego de usuários. A Veniam espera expandir o serviço para mais cidades em Portugal em breve.

Fonte: [Olhar Digital]

Um kit para montar seu próprio satélite

satelite

PocketQube é um satélite pessoal em miniatura usado para pesquisa espacial que, agora, está sendo vendido em kits para montagem e utilização amadora.

Com 5cm de aresta e massa de até 180 gramas, o satélite é feito a partir de componentes comuns, desses que existem no supermercado e não foram desenvolvidos para fins aeroespaciais.

O kit vendido pela empresa contém praticamente tudo o que é preciso para montar um satélite artificial em casa, tornando a experiência divertida para marinheiros de primeira viajem.

Entre os principais itens estão a estrutura do cubo, uma placa de rádio para comunicação com a base em terra e um computador de bordo que serve como estação de comando central do satélite em miniatura.

O preço do brinquedo para adultos varia entre US$ 6 mil e US$ 6.300, dependendo da configuração do aparelho e altitude que o operador deseja chegar.

 

Fonte: [Olhar Digital]

Tutorial: Como fazer um videogame retrô com um Raspberry Pi e controles do Xbox 360

apapreRFneUSQ

 

Ingredientes

. Um Raspberry Pi. Recomendo vivamente o modelo B+;
. Um cartão de memória MicroSDHC, de 8GB, classe 10;
. Um power outlet USB 5V de 2A. O carregador do seu celular não serve, por ser de 1A. O do iPad, por outro lado, é perfeito. Mesmo assim, é melhor comprar um específico só para o seu retroconsole. Vá ao xing-ling mais próximo de você e especifique que você quer um carregador de 2 amperes;
. Um cabo Micro USB A-B (igual ao do seu Android!);
. Um cabo HDMI (ou um cabo composto A/V 3.5mm, se sua TV não tiver entrada HDMI);
. Um teclado USB qualquer. Será útil só na configuração inicial, então pode ser emprestado de outro computador, de um amigo etc;
. Um ou mais controles sem fio do Xbox 360. Gosto de controles sem fio porque TVs devem ficar longe de sofás e cabos suficientemente compridos não são nada práticos;
. Um receptor wireless para o controle do Xbox 360. A Microsoft vende esses adaptadores para PC, mas eles funcionam no RPi também. Você encontra o receptor oficial no xing-ling por 100 reais, mas há genéricos bem mais baratos.

[Você pode optar pelo controle do PlayStation 3. Neste caso, terá de substituir o adaptador do Xbox 360 por um dongle USB bluetooth. Mas confesso que não testei e não sei como funciona; as instruções abaixo são específicas para o controle do Xbox.]

Continue lendo Tutorial: Como fazer um videogame retrô com um Raspberry Pi e controles do Xbox 360

82% dos executivos pretendem aumentar o uso de mídias sociais, segundo estudo

De acordo com uma pesquisa realizada pela divisão de consultoria da IBM com mais de 1.700 executivos-chefe de marketing, 82% deles pretendem aumentar o uso de mídias sociais no relacionamento com clientes nos próximos três a cinco anos.

No entanto, segundo o estudo, apenas 26% destes profissionais já adotaram práticas como rastreamento de blog, menos da metade deles (42%) está monitorando opiniões de terceiros e 48% fazem análises de consumidores nas redes sociais para ajudar a moldar estratégias de marketing. Além disso, 50% se consideram despreparados para gerenciar mídia social e o aumento da colaboração com os clientes.

No Brasil, a IBM escutou 56 líderes de marketing de empresas de diferentes segmentos e os resultados foram semelhantes, apesar da preocupação em investir em tecnologias ter sido bem maior: 91% contra 73% em outros países. Embora identifique a intimidade com os clientes como alta prioridade e reconheça a importância da monitoração de dados em tempo real, mais de 80% dos entrevistados ainda utilizam fontes tradicionais de informações, como pesquisas de mercado e comparações competitivas, e 68% baseiam-se em análises de campanhas de vendas para tomar decisões estratégicas.

“As pessoas compartilham cada vez mais suas experiências por meio das redes sociais, o que lhes dá maior influência sobre as marcas”, comenta Isabela Martins, líder da consultoria da IBM Brasil para CRM (Customer Relationship Management). “Esta mudança exige novas abordagens de marketing para manter a competitividade. Assim como o avanço do e-business há mais de uma década, a adoção radical da mídia social por parte dos consumidores traz desafios, mas também oportunidades para impulsionar a receita e o valor de uma marca”, destaca.

Desafios

Os resultados da pesquisa indicam quatro grandes desafios que trarão mudanças significativas nas organizações de marketing nos próximos três a cinco anos:

Explosão de dados: 90% dos dados do mundo todo foram criados nos últimos dois anos. A dificuldade é como analisar esta vasta quantidade de dados para extrair insights e usá-los com eficácia para aprimorar produtos, serviços e a experiência dos clientes.

Plataformas sociais: a mídia social permite que qualquer um se torne um editor, produtor e crítico. Hoje, 56% dos executivos de marketing enxergam a mídia social como um importante canal de interação. Porém, eles ainda têm problemas para capturar insights valiosos sobre os clientes a partir dos dados não estruturados produzidos pelos usuários.

Opções de canais e dispositivos: o aumento no número de canais e dispositivos, como smartphones e tablets, já é uma prioridade para os profissionais. Estima-se que o comércio móvel atinja US$ 31 bilhões em 2016, com taxa anual de crescimento de 39% entre 2011 e 2016. Já o mercado de tablets deve atingir 70 milhões de unidades no mundo até o final deste ano, crescendo para 294 milhões até 2015.

Dados demográficos em transformação: novos mercados globais e as gerações mais jovens, com diferentes padrões de consumo, estão mudando o cenário econômico. A equipe de marketing precisará adaptar suas estratégias para atender a esta classe média emergente.

Fonte: [Olhar Digital]

As 25 piores senhas da internet

A quantidade de serviços diferentes oferecidos na web é proporcional à quantidade de cadastros que os usuários precisam fazer – e, consequentemente, à quantidade de senhas que eles devem lembrar. Como usar o mesmo nome de usuário e senha em diversos lugares não é muito seguro, então é normal que as pessoas tenham mais do que uma palavra-chave, que vai sendo usada em diferentes lugares.

Mas, mesmo assim, às vezes as pessoas querem apenas ver uma coisa simples em um site e precisam de uma senha. No auge do desespero, sem conseguir pensar no que colocar, o usuário acaba definindo que seu password é… “password”.

A empresa dos Estados Unidos SplashGuide separou uma lista com as 25 piores senhas que foram roubadas e postadas na internet por hackers. Elas são bastante simples e podem facilmente ser descobertas por qualquer pessoa, e vão de um mísero “password” para um “123456”, passando por palavras como “football” e combinações numéricas pouco criativas como “123123”, além de combinações com números e letras como “abc123”.

Veja, abaixo, a lista das 25 senhas menos seguras da internet. Você usa alguma delas em seus cadastros?

1. password
2. 123456
3. 12345678
4. qwerty
5. abc123
6. monkey
7. 1234567
8. letmein
9. trustno1
10. dragon
11. baseball
12. 111111
13. iloveyou
14. master
15. sunshine
16. ashley
17. bailey
18. passwOrd
19. shadow
20. 123123
21. 654321
22. superman
23. qazwsx
24. michael
25. football

Fonte: [Olhar Digital]

Provedor terá que garantir banda larga veloz

As operadoras de telefonia terão de cumprir regras mais rígidas para garantir melhor qualidade nos serviços de banda larga fixa e móvel.

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) aprovou hoje índices obrigatórios de velocidade mínima e velocidade média de internet rápida para reduzir o tormento de milhões de consumidores que recebem apenas 10% da velocidade contratada.

Pelas novas regras, as companhias terão de garantir 20% de velocidade mínima e 60% de média no prazo de 12 meses, antecipou à Agência Estado o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, antes do anúncio oficial da Anatel. Dentro de 24 meses, esses porcentuais subirão para 30% e 70%, respectivamente. Em 36 meses os índices alcançarão 40% para velocidade mínima e 80% para velocidade média. Continue lendo Provedor terá que garantir banda larga veloz

Palestra sobre Realidade Aumentada na SEMATEC 2011, Campo Grande/MS

Estive na semana passada participando de um evento muito bacana realizado pela Faculdade Campo Grande, o SEMATEC 2011. Tive o prazer de conversar com a galera sobre Realidade Aumentada (RA). Durante uma hora falei de alguns conceitos e bibliotecas e mostrei alguns exemplos de aplicações com RA.

Quem quiser fazer o download da apresentação pode conferir em: http://www.slideshare.net/PedroNeto2/realidade-aumentada-sematec-2011, e também no link “apanha aí” deste blog: http://www.tuxcuiabano.com/?page_id=223

Algumas fotos estão na página do Tux Cuiabano no Facebook: http://www.facebook.com/pages/Tux-Cuiabano/176747112408860

Agora é começar a brincar.

Estudo mostra que pessoas revelam informações cruciais no Facebook

Um estudo conduzido pela pesquisadora romena Sabina Datcu mostrou que pessoas tendem a revelar informações absolutamente sigilosas, como endereços e senhas, a desconhecidos no Facebook – desde que acreditem que tenham algo em comum com eles. Ela realizou a pesquisa com profissionais de TI e hackers. No estudo, 81% das pessoas revelam o nome de suas mães, 78% dos hackers também o fizeram. E 7% dos hackers deram suas senhas para a pesquisadora.

Pode parecer inofensivo entregar informações familiares a desconhecidos, mas não é. Na mão de pessoas mal intencionadas, informações deste tipo podem virar recursos interessantes de engenharia social, que é uma forma de abordagem direcionada para arrancar de você, via um vírus por exemplo, informações mais sensíveis, como número do cartão de crédito e informações bancárias.

A pesquisa mostra que a discussão sobre privacidade em redes sociais, em especial no Facebook, está muito focada nos recursos da plataforma para impedir que informações confidenciais sejam aproveitadas pelo próprio Facebook ou caiam na mão de estranhos. Mas, eventualmente, o problema pode ser outro: as pessoas simplesmente tendem a não ter segredos e não fazer muita questão de sigilo.

Sabina conseguiu construir vínculos com 100 pessoas usando dois perfis falsos no Facebook. Segundo a pesquisadora, foi bastante fácil arrancar informações confidenciais destas pessoas.

Ela criou duas contas falsas como se fosse uma profissional de TI de 25 anos e passou a interagir com pessoas que tinham o mesmo perfil. Com a amizade criada na rede social com essas pessoas, Sabina foi capaz de descobrir informações pessoais, detalhes familiares e até mesmo senhas e seus endereços no mundo real.

Fonte: [Globo.com – TechTudo]

Malwares se aproveitam dos códigos QR

Especialistas em segurança da Kaspersky Lab, empresa de antivírus e segurança na web, descobriram que os malwares chegaram aos códigos QR. Este trata-se de um código de barra em 2D que se converte em texto ou link e pode ser identificado por um celular.

De acordo com o site Mashable, Tim Armstrong, pesquisador da companhia, afirmou que códigos QR também podem ser usados para espalhar scans de phishing, fraude eletrônica usada para conseguir dados pessoais dos usuários. Robert Siciliano, analista de segurança online da McAffe, compartilha da mesma opinião e confirma que os códigos QR infectados estão em cena.

O primeiro ataque usando os códigos de barra em 2D aconteceram na Rússia. Usuários encontraram códigos que enviavam SMS para um número que fazia cobranças a cada mensagem. O código foi baixado por meio de um aplicativo no Android chamado “Jimm”.

Para os especialistas, a regra básica para evitar situações desse tipo é a mesma usada para links: nunca use códigos QR de empresas ou anunciantes desconhecidos.

Fonte: [Olhar Digital]

Google lança campanha para promover a segurança on-line

O Google, em parceira com o Citizens Advice Bureau (CAB), um site independente voltado para a assegurar informações confidenciais, vai lançar uma campanha para promover a segurança on-line dos internautas. O objetivo é capacitar os usuários a resolver problemas e tomar decisões corretas sobre o uso da internet.

Segundo o jornal britânico Telegraph, as duas organizações irão incentivar os usuários a adotar métodos mais seguros durante a navegação na web como ter senhas mais complexas e desligar os computadores após usá-los. A campanha ainda vai se focar no bloqueio a sites pornográficos para crianças e o uso de “cookies” nos navegadores.

“A informação é uma ferramenta poderosa para evitar problemas que envolvam segurança, dados pessoais e roubo de identidade. Estas estão entre as principais preocupações das pessoas ao usar internet”, afirma Gillian Guy, presidente-executivo do CAB.

Para ajudar os internautas, o Google e o Citizens Advice Bureau publicaram cinco dicas para se manter seguro em ambiente on-line:

1. Escolha uma senha forte como, por exemplo, uma frase de música, filme ou jogo favorito. Em seguida, use números, símbolos e letras para recriá-lo. Quanto mais incomum for a frase, melhor.
2. Nunca responda e-mails suspeitos com suas informações pessoais ou financeiras, nem digite sua senha depois de abrir um link que você não confia.
3. Na barra de endereços, procure por “https” e um cadeado dourado. Essa é uma das formas para verificar se o site é seguro ou não.
4. Se uma ou mais pessoas usam o mesmo computador que o seu, feche o navegador antes de desligá-lo.
5. Use duas etapas de verificação de contas em serviços que oferecem essa possibilidade. Adicione, se possível, uma verificação extra de segurança.

A campanha, chamada de “Good to Know” (“Bom Saber”, em português), pode ser acompanhada clicando aqui.

Fonte: [Olhar Digital]